Terapia familiar Analítico-Comportamental para Anorexia Nervosa na adolescência: estudo de caso

  • Felipe Alckmin-Carvalho
  • Márcia Helena da Silva Melo
Palavras-chave: Anorexia Nervosa; Adolescência; Terapia Analítico-Comportamental; Família; Psicoterapia.

Resumo

O objetivo no presente estudo foi apresentar o processo e os resultados de uma intervenção psicoterápica familiar de orientação analítico-comportamental para o tratamento de uma paciente adolescente de 12 anos, com diagnóstico de Anorexia Nervosa (AN). O processo de psicoterapia durou seis meses. Foram realizadas 25 sessões com a adolescente e seus pais. O tratamento envolveu construção de análises funcionais para identificação e manejo dos determinantes dos comportamentos com função de perder peso, psicoeducação, automonitoramento, dessensibilização sistemática, clarificação de regras associadas ao corpo e à alimentação, biblioterapia e treinamento de habilidades socioemocionais e educativas. Instrumentos utilizados no início, ao final do tratamento e em seguimento: avaliação antropométrica, Questionário de Exame para Transtornos Alimentares, para avaliar a gravidade do transtorno alimentar e Inventário de Autoavaliação para Adolescentes, para avaliar problemas emocionais/comportamentais. A paciente iniciou o tratamento com baixo peso e amenorreica. Ao final do tratamento estava eutrófica e com menstruação regular. Permaneceu eutrófica e com status menstrual regular em seguimento. Tanto a gravidade da AN quanto os indicadores de problemas emocionais/comportamentais foram reduzidos pós-intervenção, e nova redução foi verificada em seguimento. Há indícios de que o tratamento tenha produzido efeitos positivos, tanto em termos de recuperação ponderal quanto em termos de psicopatologia alimentar e outros problemas associados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Achenbach, T. M., & Rescorla, L. A. (2001). Manual for the ASEBA School-Age Forms and Profiles [Manual]. Burlington, VT: University of Vermont, Research Center for Children, Youths, and Families.
Alckmin-Carvalho (2018), F. Desenvolvimento e avaliação dos efeitos de uma intervenção psicoterápica destinada a adolescentes com anorexia nervosa e a seus pais: coletânea de casos. [Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo].
Alckmin-Carvalho, F., Rafihi-Ferreira, R., Rocha, M.M., & Melo, M. H. S. (2020). Compreensão Analítico-Comportamental da Anorexia Nervosa. Psicologia, Saúde & Doenças, 21(2), 423-434. DOI: http://dx.doi.org/10.15309/20psd210217
Alckmin-Carvalho, F., Bergamo, J. V., Cobelo, A. W., Fabbri, A., Pinzon, V.D., & Melo, M. H. D. S (2018). Evidence-based psychotherapy for treatment of anorexia nervosa in children and adolescents: systematic review. Archives of Clinical Psychiatry, 45(2):41-48. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0101-60830000000154
Alckmin-Carvalho, F., & Melo, M. H. S. (2018). Anorexia Nervosa na adolescência: avaliação e tratamento sob a perspectiva analítico-comportamental. In A. K. C. R. de-Farias (Org.). Clínica Analítico-Comportamental. (p. 145-164). Porto Alegre: Artmed.
American Psychiatric Association. (2013). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5) [manual]. Porto Alegre: Artmed.
Arcelus, J., Mitchell, A. J., Wales, J., & Nielsen, S. (2011). Mortality rates in patients with anorexia nervosa and other eating disorders: a meta-analysis of 36 studies. Archives of General Psychiatry, 68(7), 724-731. DOI: 10.1001/archgenpsychiatry.2011.74
Button, E. J., Chadalavada, B., & Palmer, R. L. (2010). Mortality and predictors of death in a cohort of patients presenting to an eating disorders service. International Journal of Eating Disorders, 43(5), 387-392. DOI: https://doi.org/10.1002/eat.20715
Deram, S. (2014). O peso das dietas. Emagreça de forma sustentável dizendo não às dietas. São Paulo: Sensos.
Fairburn, C. G., & Beglin, S. J. (1994). Assessment of eating disorders: Interview or self‐report questionnaire? International Journal of Eating Disorders, 16(4), 363-370.
Franko, D. L., Keshaviah, A., Eddy, K. T., Krishna, M., Davis, M. C., Keel, P. K., & Herzog, D. B. (2013). A longitudinal investigation of mortality in anorexia nervosa and bulimia nervosa. American Journal of Psychiatry, 170(8), 917-925. DOI: https://doi.org/10.1176/appi.ajp.2013.12070868
Kazdin, A. E. (2011). Single-case research designs: Methods for clinical and applied settings. Oxford University Press.
Lock, J., & Grange, D. (2015). Treatment manual for anorexia nervosa: a family-based approach [manual]. New York: The GuilfordPress.
National Institute for Health and Clinical Excellence (NICE). (2017). Eating disorders: recognition and treatment NICE guideline NG69. Recuperado de https://www.nice.org.uk/guidance/ng69/chapter/Recommendations.
Nery, L.B. & Fonseca, F. N. (2018). Análises funcionais molelulares e molares: um passo a passo. In A. K. C. R. Farias, L. B. Nery, & F. N. Fonseca. Teoria e Formulação de Casos em Análise Comportamental Clínica. Porto Alegre: Artmed.
Organização Mundial da Saúde (OMS). (2007). Curvas de Crescimento da Organização Mundial da Saúde. Recuperado de: https://aps.saude.gov.br/ape/vigilanciaalimentar/curvascrescimento
Paxton, S. J., Hay, P., Touyz, S. W., Forbes, D., Madden, S., Girosi, F. et al. (2012). Paying the price: the economic and social impact of eating disorders in Australia. Barton, A.C.T.: Deloitte Access Economics. Recuperado de https://www.deloitteaccesseconomics.com.au/uploads/File/Butterfly_Report_Paying%20the%20Price_online.pdf
Rocha, M. M. (2012). Autoavaliação de competências e problemas de comportamento entre adolescentes brasileiros: um estudo de validação do Inventário de Autoavaliação para Jovens (YSR/2001). [Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo].
Skinner, B. F. (1974). About behaviorism. New York: Vintage Books Edition.
Skinner, B. F. (1989). Ciência e comportamento humano (J. C. Todorov, & R. Azzi, Trads.). São Paulo: Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1953).
Skinner, B. F. (2007). Seleção por consequências. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 9(1), 129-137. (Trabalho original publicado em 1981).
Tirico, P. P., Stefano, S. C., & Blay, S. L. (2010). Qualidade de vida e transtornos alimentares: uma revisão sistemática. Caderno de Saúde Pública, 26(3), 431-449. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2010000300002
Whiteford, H. A., Degenhardt, L., Rehm, J., Baxter, A. J., Ferrari, A. J., Erskine, H. E., & Vos, T. (2013). Global burden of disease attributable to mental and substance use disorders: findings from the Global Burden of Disease Study 2010. The Lancet, 382(9904), 1575-1586. DOI: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(13)61611-6
Wolpe, J. (1967). The practice of behavior therapy. 2nd ed. New York: Pergamon Press.
Publicado
2021-08-05
Como Citar
Alckmin-Carvalho, F., & da Silva Melo, M. H. (2021). Terapia familiar Analítico-Comportamental para Anorexia Nervosa na adolescência: estudo de caso. Perspectivas Em Análise Do Comportamento, 12(1). Recuperado de https://www.revistaperspectivas.org/perspectivas/article/view/739
Seção
Clínica Comportamental